A Ibogaína



A ibogaína — alcalóide derivado do caule da raíz da planta africana Tabernanthe iboga — e principal medicação utilizada em nosso centro de saúde, é considerada a medicação mais potente do mundo no tratamento da dependência química. O medicamento é capaz de restaurar o funcionamento normal dos neurotransmissores responsáveis pela produção de dopamina em questão de dois ou três dias após a administração de uma única dose.

O potencial da ibogaína para tratar a dependência química foi descoberto por Howard S. Lotsof — um ex-toxicodependente que experimentou ibogaína pela primeira vez em 1962. Lotsof experimentou a ibogaína crendo que tratava-se de uma nova droga recreativa, mas cerca de 30 horas após a ingestão da planta, percebeu que a vontade consumir heroína (droga cujo potencial de dependência é muito superior ao do crack e da cocaína) havia desaparecido por completo. Howard em seguida ofereceu a ibogaína aos seus amigos, na época também dependentes de heroína, e percebeu que o efeito era igual para todos.

Estudos sugerem que a ibogaína tem um potencial considerável no tratamento da dependência de heroína (e demais derivados do ópio), cocaína, base-livre de cocaína (crack), metadona, benzodiazepínicos e álcool. Existe também a indicação de que a planta pode ser útil no tratamento da dependência do tabaco. Foi ainda sugerido que a droga pode ter um potencial considerável no campo da psicoterapia, sobretudo no tratamento dos efeitos do trauma e do condicionamento negativo.

Uma única administração de ibogaína tem três efeitos úteis ao tratamento da toxicodependência: primeiro, causa uma enorme redução dos sintomas da síndrome de abstinência, permitindo uma desintoxicação relativamente indolor; segundo, o desejo de usar a droga decresce notavelmente durante algum tempo após o consumo da ibogaína, geralmente em apenas alguns dias. Tal dado fora confirmado por vários estudos científicos. Finalmente, a natureza psicoativa da ibogaína parece ajudar muitos toxicodependentes a compreenderem e reverterem os problemas por trás da dependência.


A ibogaína pode ser administrada facilmente em forma de cápsula, e não causa dependência.

A ibogaína, além de proporcionar ao paciente o completo alívio de absolutamente todos os sintomas de abstinência decorrentes da interrupção do uso das drogas, também realiza a total reparação dos caminhos cerebrais danificados, promovendo ao paciente a ampla oportunidade de desfrutar de uma vida plena e satisfatória sem a necessidade de fazer o uso de qualquer substância psicoativa. O paciente simplesmente não sofrerá qualquer crise de abstinência durante e depois do tratamento com ibogaína. Após o tratamento, que dura cerca de 5 a 7 dias na modalidade presencial e entre 12 e 24 dias na modalidade a distância, o ex-dependente químico será reinserido em sociedade plenamente capaz de sentir prazer nas coisas simples do dia-a-dia — como ocorria antes das drogas. O tratamento devolverá ao paciente a liberdade de escolha entre o sim e o não para as drogas. O Centro Terapêutico Lucato acredita que existe, sim, uma cura para a dependência química. Nós somos a prova viva disso.